ESTÉTICO

MELASMA

O melasma é uma das queixas mais frequentas nos consultórios de dermatologia. Constitui uma dermatose de grande impacto psicológico, devido ao aspecto inestético de suas lesões, aspecto crônico e dificuldades de tratamento. 

 

O melasma se caracteriza por manchas escuras predominando em áreas de exposição ao sol, de caráter crônico. Conhecido também como manchas de gravidez ou cloasma gravídico. Sua causa ainda não está bem esclarecida. A exposição solar é fator importante, mas também há relação com fatores hormonais, vasculares e predisposição genética.

 

Os melanócitos do paciente com melasma, parecem ter comportamento diferente daqueles da pele normal. A pele com melasma responde mais intensamente ao estímulo da radiação ultravioleta. A exposição solar é considerada o fator mais importante e está implicado na peroxidação de lipídeos membrana celular, com liberação de radicais livres, que estimulam o melanócitos.

 

Fatores hormonais, como gravidez e uso de anticoncepcionais orais, também têm tido uma importante associação. Outros fatores também são relacionados como o uso de medicamentos fototóxicos, disfunção da tireóide e alterações na vascularização cutânea. 

Outra questão simples, porém, muito importante é que a pele do melasma não pode e não deve ficar vermelha, irritada, queimando ou com ardor. Isto porque, nesses casos, a mancha pode piorar, pois qualquer inflamação pode produzir hiperpigmentação. Sendo assim, qualquer tratamento agressivo pode produzir efeito rebote.

 

TRATAMENTO

Para o tratamento, devemos traçar um plano estratégico para obter resultados mais satisfatórios uma vez que se trata de dermatose crônica e de difícil tratamento.

Várias propostas têm sido feitas, com o principal objetivo de clarear as lesões, prevenir e reduzir a área afetada, como o menor número possível de efeitos adversos. 

 

É primordial o esclarecimento do paciente com melasma sobre a cronicidade de sua patologia, dificuldade terapêutica, necessidade da aderência estrita à proteção solar de amplo espectro e de tratamento de manutenção.

 

O uso de protetor solar de amplo espectro (UVA e UVB) associado a cremes despigmentantes é considerado base fundamental. O filtro solar deve, obrigatoriamente, ter proteção para UVA + UVB, ser uma combinação de filtro físico e químico com fator de proteção solar (FPS), maior que 50 e PPD maior que 10. Ele deve ser colorido como uma base, pois somente o pigmento protege da luz visível que é emitida pelo telefone celular, lâmpadas e computador. O tratamento para o melasma deve incluir remédios por via oral e também cremes clareadores. 

 

Os diferentes tratamentos propostos atuam em diversas etapas da formação do melasma, seja por inibição da tirosinase (ex: hidroquinona, tretinoína, ácido azelaico, ácido kójico), por supressão não-seletiva da melanogênese (corticóides, ácido tranexâmico), por inibição de espécies reativas de oxigênio (ácido azeláico, antioxidantes), por remoção de melanina (peelings químicos) ou por dano térmico (luz intensa pulsada, laser). Geralmente para se obter uma melhor resposta terapêutica o que se observa quase sempre a necessidade de tratamentos combinados.

 

Listamos alguns procedimentos mais utilizados: 

  • Laser qswitched Nd-yag (laser acroma): é o laser padrão ouro para o tratamento do Melasma, pois libera energia baixa e tem o pulso muito rápido e dessa forma não provoca queimadura ou irritação. São necessárias varias sessões para conseguir a melhorar desejada.

  • Microagulhamento com “drug delivery” 

  • Peeling químicos seriados

  • Intradermoterapia com infusão de substâncias clareadores

 

Os resultados variam individualmente. Recomenda-se acompanhamento dermatológico regular.

MELASMA 2.jpg
MELASMA 5.png
MELASMA 1.jpg
MELASMA 4.jpg