CLÍNICO

ACNE

Existem vários tipos de acne: vulgar, da mulher adulta, cosmética, neonatal, infantil e medicamentosa. Como principais causas são: fatores genéticos, hipersecreção sebácea, distúrbio da queratinização folicular, ação da bactéria Propionibacterium acnes e e hormonais.

 

O uso de alguns medicamentos, bem como de produtos de beleza, ajudam a piorar os quadros de acne, por isso é importante procurar um dermatologista da sua confiança, que irá analisar o quadro e indicar o melhor tratamento.

 

A acne vulgar é uma enfermidade inflamatória da unidade pilossebácea da pele, caracterizada inicialmente pela presença de um comedão ou “cravo”. Essa estrutura ocorre pela obstrução do orifício de saída da unidade pilossebácea, com acúmulo de secreções, restos celulares e algumas vezes um ácaro: o demodex foliculorum.

 

A acne ocorre mais freqüentemente em jovens e adolescentes, sendo possível caracterizá-la como fisiológica em muitos casos pela freqüência com que ocorre nessa faixa etária . Estima-se que 80% da população sofre de algum tipo de acne durante a vida. O comprometimento severo é mais comum no sexo masculino . Vários são os fatores que influenciam a gravidade do quadro e o seu surgimento. Porém a elevação da carga hormonal com as modificações características da pele são os principais responsáveis. É possível que a acne possua componente genético na conformação do folículo, facilitando a obstrução . A severidade das lesões é variada, desde cravos/cômedos isolados até nódulos dolorosos e cicatrizes deformantes, o que justifica a procura dos pacientes e a preocupação do médico.

 

Quatro são os principais pilares na formaçao da acne: a comedogênese (formação do cravo/cômedo), a produção de sebo, a colonização bacteriana pelo Propionibacterium acnes (P. Acnes) e o processo inflamatório. Os dois primeiros são diretamente favorecidos pela mudança dos padrões estruturais da glândula por estímulo hormonal, que geralmente ocorre na adolescência e em distúrbios hiperandrogênicos. As glândulas pilossebáceas sofrem uma modificação fundamental para o processo de formação da acne. Há uma hipertrofia de toda a glândula decorrente da ação androgênica sobre sua estrutura, não necessariamente levando à formação de acne, mas criando condições para a formação do cômedo. Uma hiperproliferação no infundíbulo da glândula forma uma “rolha” e oclui o óstio ductal, impedindo a drenagem do sebo normalmente produzido pela glândula e favorecendo a comedogênese. A produção de sebo retida pelo cômedo oclusivo propicia a colonização principalmente bacteriana pelo P. acnes e a instalação do processo inflamatório e infeccioso em toda a glândula. Os pacientes com acne têm glândulas sebáceas maiores e produzem mais sebo que indivíduos sem acne, que praticamente não têm o P. acnes na flora cutânea.

 

O diagnóstico da acne é clínico e se estabelece por uma mescla de lesões localizadas principalmente na face, no dorso e no tórax. As lesões devem ser caracterizadas pela presença do cravo/cômedo, papulas, pustulas (pontos amarelados). Cistos, nódulos e abscessos correspondem a uma fase avançada da acne.

 

A acne vulgar pode ser dividida em inflamatória e não-inflamatória, conforme as lesões predominantes, podendo ser graduada de I a V conforme a gravidade do quadro. A acne grau I, não inflamatória ou comedoniana, apresenta predomínio de cravos/cômedos. A acne inflamatória é responsável pelos graus II, III, IV e V. Na acne grau II há predomínio de lesões pápulo-pustulosas além dos cômedos. Na acne grau III nódulos e cistos podem ser observados. A acne grau IV ou conglobata é uma forma severa da doença com múltiplos nódulos inflamatórios, formação de abscessos e fístulas.

 

O tratamento da acne pode ser tópico e/ou sistêmico, a escolha depende do grau de acometimento da pele. A isotretinaína oral é o melhor tratamento, mas depende da análise do dermatologista.

 

ISOTRETINOINA

A isotretinoína (Roacutan) é um metabólito da vitamina A indicado para acne grave, nodular e inflamatória, ou quando outros tratamentos falham. Ocasionalmente é usada nos casos com cicatrizes deformantes, com estresse psicológico significativo ou com recaídas freqüentes após a parada da terapia convencional . Um dos seus principais mecanismos de ação dose dependente é a atrofia das glândulas sebáceas com conseqüente redução da produção de sebo. Também atua na normalização da descamação epitelial folicular, tem ação antinflamatória e reduz a população de P. acnes devido à redução do sebo.

 

Tratamento das Cicatrizes de Acne

Atualmente são mais utilizados e efetivos:

  • Microagulhamento com dermaroller - SAIBA MAIS!

  • Lasers Fracionados de CO2 - SAIBA MAIS!

  • Peelings - SAIBA MAIS!

  • Preenchimento com Ácido Hialurônico - SAIBA MAIS!

  • Radiofrequência Fracionada Microagulhada,

  • Laser Nd: YAP 1340nm,

  • ATA (acido tricloroacético) pontuado

 

Cada cicatriz deve ser tratada individualmente, assim como em um mesmo paciente, utilizado em 2-4 opções de tratamento para o paciente atinja o resultado esperado mais rápido.

 

Fonte: http://periodicos.puc-campinas.edu.br/seer/index.php/cienciasmedicas/article/viewFile/1117/1092

 

Acne da Mulher Adulta

 

A acne, além de acometer um grande percentual dos adolescentes, pode atingir também mulheres na idade adulta. A doença pode surgir nesta fase da vida (após 18 – 21 anos) ou ser resultado da persistência da acne juvenil.

Pode surgir em decorrência de alterações hormonais devidas a disfunções ovarianas (a mais frequente é a síndrome dos ovários micropolicísticos), alterações das glândulas supra-renais ou um aumento da sensibilidade da pele aos hormônios androgênicos (masculinos), responsáveis pelas manifestações da doença.

Apesar da acne na mulher adulta estar relacionada ao aumento da ação dos androgênios, muitas vezes os exames laboratoriais estão dentro de níveis normais, caracterizando, então, uma maior sensibilidade da pele a estes hormônios.

Características da acne na mulher adulta

Clinicamente, as lesões costumam ser mais profundas, formando nódulos avermelhados e doloridos (acne nódulo-cística), mas também pode formar pústulas (lesões com pus). As áreas mais atingidas são o queixo, mandíbulas e pescoço e colo.  Há uma predileção para as áreas onde os homens têm pelos (barba, por exemplo), pois são nestes locais que estão os receptores androgênicos ( receptores de hormônios masculinos)

Cravos fechados (brancos) são mais frequentes que os abertos (pretos).

Outras características que podem estar acompanhando a acne da mulher adulta, devido à ação dos androgênios, são o aumento da seborréia, aumento de pelos faciais e corporais e queda acentuada de cabelos. Em alguns casos pode ocorrer também irregularidade menstrual.

Tratamento

Confirmada a influência hormonal na causa da doença, o tratamento pode ser feito com determinados tipos de contraceptivos orais, principalmente aqueles que contenham um componente que atue contra o hormônio masculino (anti-andrógeno) ou bloqueadores dos receptores hormonais, que impedem a ação do hormônio sobre a pele.

Medicações de uso local e peelings superficiais também são importantes no combate à acne.

Casos graves podem ser tratados com a isotretinoína (Roacutan) , que pode eliminar a doença definitivamente em alguns meses nas pacientes que não tenham distúrbios hormonais. Mas é muito importante manter controle da influência hormonal por tempo prolongado.

A escolha do tratamento ideal vai depender de cada caso e das suas possíveis causas, sendo importante uma avaliação detalhada da paciente pelo médico dermatologista e/ou endocrinologista que a acompanha.

 

Fonte: Dr. Marcus Henrique Morais